Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Na Sombra do Poder

Na Sombra do Poder: Bastidores fervilhando pelas pesquisas

[Na Sombra do Poder: Bastidores fervilhando pelas pesquisas]
22 de Outubro de 2020 às 05:00 Por: Pixabay/ Reprodução/ Redes sociais/ Divulgação Por: Editoria de Política

Bastidores fervilhando
Os bastidores para a divulgação de uma nova pesquisa eleitoral nesta quinta (22) agitaram o corpo jurídico das principais candidaturas. Preocupado em frear o disparo de Bruno Reis [que passou dos 50% em recente pesquisa], a coligação do Pastor Sargento Isidório (Avante) correu às barras da Justiça, no final da noite de quarta-feira (21), para suspender a veiculação dos dados levantados pelo Instituto Potencial em parceria com o jornal A Tarde.

Neto retô
O ex-presidente Lula andou elogiando o senador ACM pela forma que o político projetava a imagem da Bahia no cenário nacional, mas aproveitou para cutucar Neto sobre as eleições municipais e o chamou até de grampinho. Para tanto, invocou o histórico de vitórias do PT na disputa pelo governo da Bahia, com os resultados em primeiro turno para Wagner e Rui. Quando soube da conversa enquanto apresentava a Maratona Salvador 2020, Neto correu léguas da repercussão. Nem considerou o elogiou feito pelo petista ao senador e pulou pra parte das pesquisas eleitorais. Largou que não ia comentar nada, não. Que enquanto uns ficam dando entrevista, ele tem mais o que fazer. E disse mais: "o que Lula fala não tem relevância". Em resumo: Neto retô.

Esperança e apreensão

Por falar em Lula, ele deu as caras na propaganda de Denice e encheu um balão de esperança para o núcleo da campanha. A expectativa que essa associação impulsione a militar à casa dos dois dígitos e comece a fazer planos reais com um eventual segundo turno é grande. Por outro lado, há também certa apreensão com o antipetismo. Até então, Denice não explorava o nome do partido em suas peças, apenas o número de urna, o que inclusive foi motivo de indagação judicial de Bruno Reis.

Os advogados que lutem
Se no primeiro debate de TV o clima foi mais ameno entre os candidatos, sem elevação de tom e trocas de farpas, na seara jurídica a coisa muda de figura. Tá uma verdadeira guerra judicial entre os postulantes ao Palácio Thomé de Souza. É um tal de liminar pra lá, derrubada de liminar pra cá, ação disso, daquilo. E, se inicialmente a briga se resumia em Major Denice e Bruno Reis, agora a maioria já entrou na onda. Como bem colocou o governador Rui Costa, " é o emprego dos advogados garantido". Eles que lutem!

Meu passado me condena
Em tempo, a expectativa para o debate da TVE neste sábado (24) tá grande, já que será o último, levando em conta que a Record, a Aratu e a TV Bahia já cancelaram. Diante do cenário de suspensão dos encontros na telona, teve figurão que já fugiu dos embates televisivos defendendo com unhas e dentes a realização dos programas. Pode até querer fazer discurso bonito agora, mas a memória da NSP é boa. Não escapou! 

Coração desengonçado

Virou zoação a tentativa de Bruno Reis de fazer um coração com as mãos. Todo desengonçado, como mostra a foto, o candidato falhou na "missão". Mas ele ou a equipe do Marketing aproveitou a situação para fazer piada na sua própria rede social. Aguenta coração!

Dinheiro sujo, literalmente
A cena constrangedora do senador Chico Rodrigues (DEM-RR) com dinheiro na cueca não foi relatada com mínimos detalhes pelos policiais federais. Fontes desta coluna revelaram que a conversa entre os senadores é que Chico Rodrigues chegou a fazer as necessidades nas calças, digo, no pijama, no segundo "aperto" dos agentes. Segundo as fontes, a segunda remessa do dinheiro veio suja, literalmente. Que situação!

Salvo pelo gongo
Ainda sobre Chico Rodrigues, muita gente da política nacional acredita que, se não fosse a relação dele com o Governo Bolsonaro - do qual era vice-líder no Senado -, a repercussão negativa do fato teria avançado sobre as fileiras do DEM, que é nacionalmente presidido pelo prefeito de Salvador, ACM Neto. 

Rasgação de seda

Se de um lado ACM Neto trocou farpas com Roberto Jefferson e rasgou seda para Benito Gama, do outro foi a vez do próprio Benito retribuir a gentileza e rasgar seda a Neto. Chamou de "melhor prefeito do Brasil", em um dos eventos políticos nesta semana. "Tenho orgulho de tê-lo como prefeito e líder desta cidade", elogiou. 

Fut Fake
Repercute mal entre a turma do futevolêi raiz de Salvador o oportunismo de uma candidadata do DEM em usar a modalidade como palanque eleitoral. A moça começou a saga por visibilidade em fevereiro numa competição na praia de Jardim de Alah, que teve até apoio financeiro de deputado federal por trás. Apesar da mídia e de posar para foto com a bola, a "atleta" não tem prestígio nem legitimidade para falar pelo segmento. Parafraseando a linguagem do fut, não tem Shark Attack que resolva a vida dela nas urnas. 

TSE na mira
O que tem de candidato mostrando em rede social crimes eleitorais não tá no gibi. É caminhão de asfalto, distribuição de presente do Dia das Crianças... A Justiça Eleitoral tá de olho, depois não digam que a NSP não avisou. 

A paródia do acarajé
O que dizer do diretor da Defesa Civil comendo acarajé, na tentativa de imitar a propaganda eleitoral do candidato Bruno Reis? Vejam e tirem suas próprias conclusões:

 

Infidelidade

A militância do PT está uma arara com o vereador Moisés Rocha, que não vai para a reeleição, mas decidiu apoiar Henrique Carballal [o vereador melancia], que já foi do PT, mas hoje está na base do prefeito ACM Neto pelo PDT. “Com tantos pares na esquerda, ele foi apoiar justamente um nome que pede votos para Bruno Reis?”, reclamam os correligionários. A pecha de infidelidade partidária já está posta sob a mesa, sobretudo porque mina a rede de apoios à Major Denice. Nos bastidores, fala-se que Moisés está descontente com os caminhos do partido há bastante tempo. 

Cruzes!
A campanha de reeleição do folclórico prefeito de Itabuna, Fernando Gomes, produz uma pérola em cada tentativa de simpatia popular. Dessa vez, o sexagenário da lendária frase "morra quem morrer" aparece cercado de crianças, tentando reproduzir a dancinha que viralizou nas redes, mas sem o mínimo de coordenação. A coreografia teve movimentos adaptados e, pra muita gente, pareceu que ele estava se benzendo. Amém!
 

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso